quinta-feira, 15 de maio de 2008

Brinquedos P.I.

Eu brincava de Playmobil quando era criança, adorava aqueles bonequinhos. Eu e meus irmãos tínhamos o Forte Apache com os Bluecoats. E tínhamos também uma coleção de indiozinhos, com tendas, cavalos e caiaques.

Ahhh, quanto pele-vermelha caiu da beira do Forte Apache atingido mortalmente por uma bala dos cara-pálidas... E toca a corneta da Sétima Cavalaria, tan-tan-ran-tan-tan-tan-tan!

Acho que hoje não se fabricam mais brinquedos politicamente incorretos. O que será das nossas crianças? Um bando de retardadas mentais, tenho certeza.

13 comentários:

Frodo Balseiro disse...

Patrícia, sua incorreção política está chegando às raias do....politicamento correto!
Quando um comportamento é levado ao limite, e eventualmente o ultrapassa, deixa de ser considerado sério, passa a ser uma espécie de galhofa, algo mais ou menos assim: "Ela não pode estar falando sério!"
Por decorrência, acaba deixando de ser considerado.
Capice?
Abração, Frodo

Daniel F. Silva disse...

Ah, Playmobil era demais. O brinquedo preferido da minha infância. Tinha uma coleção deles: o navio pirata, o posto de gasolina, o carro da polícia... Uma beleza.

PATRICIA M. disse...

Frodo,

Vem ca, nao vou perguntar a sua idade por uma questao de delicadeza, mas voce nao brincava de Playmobil? Se eh mais velho e na sua epoca nao tinha Playmobil, tenho certeza de que voce brincava com seus amiguinhos de luta entre pele-vermelhas e cara-palidas. Ou entao brincava de policia-e-bandido, e a graca no final era matar o bandido, oras - ah e naquela epoca a policia era sempre do bem, lembra?

Se vc nao brincou de nada disso na sua infancia, tem coisa estranha na estoria... Hehehehe. E nao vem me dizer please que so brincava de medico com a vizinha que eu nao acredito MES-MO! :-)

Frodo Balseiro disse...

Patricia!
Foi mal, reconheço. Não o comentário em sí, mas o contexto, o post em que foi feito o comentário!
Sou mais antigo que voce, e minhas mortes de indios eram perpetradas nos "fortes apache" de então, com os toscos bonequinhos, todos iguais, só mudando a pintura.
Além disso fomos criados (minha geração) com gibis de velho oeste, nada politicamente corretos, em que, por exemplo, o Coronel Cody, Buffalo Bill para os íntimos, dizimava tribos inteiras, mandando-os para "os verdes camos de Manitu"
o espírito supremo lá deles.
Você sabe melhor do que ninguem a profunda repulsa que o PC causa em mim. Portanto o comentário que fiz a você presta-se também, e talvez principalmente a mim mesmo.
Tratou-se de uma opinião sobre o, digamos assim, "conjunto da obra" dos PI, Frodo Balseiro incluído.
Abraço PI para você!
frodo

Blogildo disse...

Hoje em dia as crianças querem que seu Pokemón evolua sem que elas tenham um ataque epilético. heheheh!

Lelec disse...

Uau, eu adorava o Playmobil! Eu tinha um exército americano da Guerra da Secessão, com um canhão que atirava projéteis...

Também tinha uma nave espacial, um helicóptero, um navio...

Ê tempo bom que não volta mais!

Funes, o memorioso disse...

Pois eu nunca brinquei de palymobil. Aliás, quando aos 30 anos descobri a playmobil não achei graça nenhuma àquilo. Eu brinquei, sim, com "lego" e aos treze anos houve um dia em que cheguei a conseguir encaixar cinco de uma vez. Foi o meu record.

Funes, o memorioso disse...

Devo dizer que a mística do West selvagem, dos cowboys e dos índios nunca exerceu sobre mim o mais pequeno fascínio.
Abominei sempre westerns e vi sempre os exploradores do oeste como um bando de gente semi-selvagem, inculta e sem interesse absolutamente nenhum.

Funes, o memorioso disse...

E não Patrícia, eu também nunca brinquei de polícia e ladrão.
Na minha infância, Portugal estava envolvido numa guerra colonial em África e eu só brincava de soldado bom que matava os pretos terroristas (os turras, como nós dizíamos na altura).

Em português de Portugal nós dizemos "brincar com playmobyl" ou "bincar aos cowboys, aos polícias e ladrões ou aos soldados. Aqui optei pelo português do Brasil e escrevi "brincar de..."

PATRICIA M. disse...

Lelec, e claro, você estava do lado dos Unionistas e matava todos os porcos confederados escravagistas no final da brincadeira...

PATRICIA M. disse...

Funes, a gente diz "brincar de...". Pois eh, voce matava africanos, a gente matava indios, era uma infancia saudavel. Matavamos so de brincadeirinha. Nenhum de nos cresceu para virar assassino, pedofilo, ditador ou coisa que o valha.

Essas criancas PC de hoje me assustam. Matar indio (de brincadeirinha) nao pode. Elas serao muito mais selvagens que a gente quando crescerem. A gente extravasou a selvageria na infancia; eles extravasarão na idade adulta.

Vinicius disse...

Patricia, eu acredito que a principal razão do sucessso de "South Park" e "The Simpsons" esteja na abordarem de temas Politicamente Incorretos, o que se tornou Taboo na sociedade americana.

Blogildo disse...

Concordo plenamente, Patrícia!
Já matei muito bandido e já fugi muito da polícia, brincando de polícia-e-bandido. Também já matei muitos comunas russos. Devo ter matado mais índios que o General Custer. Hehehehe! Hoje, com a selvageria aplacada nas brincadeiras de infância, não mato uma mosca.

Dia desses tive de defender o Coiote Willie, Bugs Bunny e pato Donald. Diziam que eles incentivavam as crianças à violência. Fala sério!