segunda-feira, 17 de março de 2008

Eu Heim!

Depois dessa briga toda entre o Brasil e a Espanha - e ja disse aqui que sou a favor da ultima, sou a favor de que se faca uma varredura fina e de que se expulsem todos os ilegais, nao me importa de onde forem - eu que nao volto ao Brasil.

Vai que a PF me impede de voltar para ca... Uma mae com dupla nacionalidade - brasileira e espanhola - foi impedida de sair do aeroporto de Salvador hoje com a crianca de 22 meses. Hehehehehehe. Exageros, exageros, como esse governinho fica bravinho com quem nao deve.

Ah, by the way... E aquele monte de boliviano, peruano, paraguaio e o escambau a quatro que invade Sampa, o governinho nao vai mandar de volta para casa nao? Antes receber espanhol ilegal, que eh gente educada, do que o submundo da America Latrina. Isso se esse povo nao vai para ai para servir de mula e traficar drogas. Nao confio nessa gente nao.

Espero alias nao encontrar nenhum pela frente - nos EUA quase nao me relacionava com brazuca, aqui na Inglaterra o pessoal que eu conheco eh do mesmo nivel. Porque se encontrar, sabe como eh, minha consciencia me dira para cumprir a lei, e isso significara ligar para a policia...

3 comentários:

Lelec disse...

Oi oi,

A Espanha está certa ao deportar imigrantes ilegais. Mas erra feio ao barrar brasileiros decentes que vêm à Europa a trabalho ou a turismo.

Concordo com você: é hipocrisia do governo brasileiro barrar espanhóis e fazer vista grossa aos latino-americanos que se encontram ilegais nas nossas grandes cidades.

Kiss,

Lelec

PATRICIA M. disse...

Lelec, pois eh, os ilegais que arranham a nossa imagem aqui fora, por isso sou contra eles, sempre.

Se nao tivesse tanto brazuca ilegal, a Espanha nao tinha colocado a gente em "grupo de observacao". Ou vc acha que os japoneses por exemplo serao barrados pelos mesmos criterios que os brazucas? Logico que nao, nao ha japones ilegal na Europa.

João Batista disse...

Quem perde mais, a Espanha sem brasileiros desesperados com uma nota de três reais no bolso ou o Brasil sem Espanhol com escola etc. e tal e uma nota de cento e três euros?

Se a Espanha selecionar dez brasileiros, colocá-los no paredão e fuzilar, o Brasil faz igual? Se o primeiro ministro Espanhol pular de um precipício, o Lula faz igual? Ao responder na mesma medida, confere-se legitimidade ao imitado e a se perde para criticá-lo, assim como o próprio fundamento para a imitação. Enfim, os Espanhóis estão certos, são superiores, merecedores de imitação. Na verdade, a gentalha tecnocrata do Itamaraty não acredita nessa bobagem de certo e errado. Existe somente o oportunismo político. Todo o contexto que escapa às regulamentações burocráticas inexiste para os iluminados. São coerentes: para um país que há mais de uma década não utiliza seu instrumento diplomático para nada além de joguetes espalhafatosos e compra de votos, tal diplomacia vazia é incapaz de competir em pé de igualdade com as nações que agem de acordo com a realidade, restando-lhe apenas correr atrás do rabo dos outros numa briga de gato e rato onde vale tudo e quem bateu primeiro é sempre o outro. É a política do macaco sem galho, que ao invejar o macaco alheio, não busca um galho para si, e sim trazer o outro ao chão para que se igualem por baixo.