sábado, 7 de abril de 2007

Floripa Final

(Anos atras, em locais variados, pessoas variadas):

- Entao voce vai se mudar para Floripa? Que legal! Nossa estou morrendo de inveja!
- :-)

- Vai mesmo para Floripa? Voce eh maluca! Vai largar o conforto de ter casa, comida, roupa lavada e empregada para se virar em republica? Loucura!
- ....

- Voce vai deixa-la ir embora? Tao novinha... Se fosse minha filha, nao deixaria...
- Criamos os filhos para o mundo, temos que deixa-los voar com as proprias asas. De qualquer forma, um dia eles tem que sair de casa mesmo.

22 comentários:

william disse...

Então, no final, vc foi pra Floripa! Pelo menos papai concordou, e vc não teve de passar aperto...

Anônimo disse...

Patrícia no embalo do seu post reproduzo abaixo dois belos poemas cujos autores são dois "cabeças-de-toalha" de primeira. O primeiro é de Gibran Khalil Gibran, poeta libanês que nasceu no final do século dezenove. O segundo, pertence ao Rubaiyat de Omar Khayyam, poeta persa de origem árabe, da Idade Média.


Dos Filhos
(Gibran Khalil Gibran)

E uma mulher que carregava o filho nos braços disse: “Fala-nos dos filhos.”

E ele disse:

Vossos filhos não são vossos filhos.

São filhos e filhas da ânsia da vida por si mesma.

Vêm através de vós, mas não de vós.

E, embora vivam convosco, a vós não pertencem.

Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,

Pois eles têm seus próprios pensamentos.

Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;

Pois suas almas moram na mansão do amanhã, que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.

Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis faze-los como vós,

Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.

Vós sois o arco dos quais vossos filhos, quais setas vivas, são arremessados.

O Arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com Sua força para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.

Que vosso encurvamento na mão do Arqueiro seja vossa alegria:

Pois assim como Ele ama a flecha que voa, ama também o arco, que permanece estável.




"Vindo ao Mundo o porquê e o donde não sabendo;
Eu assim, como a água, incerto vou correndo;
Eu saio dele como o vento, do deserto;
Que sem saber para aonde, vai soprando incerto"

Omar Khayyam

PATRICIA M. disse...

Anonimo, ja li ambos os poetas. Gosto muito, por sinal, dos dois.

Anônimo disse...

Que legal hein Patrícia!! Até que você tem bom gosto!!


Patrícia, se me permite gostaria de te mandar, de vez em quando, algumas curiosidades sobre os povos e as civilizações que habitam ou habitaram o Oriente Médio.

Você sabia que a obra literária mais antiga até hoje conhecida foi escrita, provavelmente, por um cabeça-de-toalha? trata-se da "Epopéia de Gilgamesh" de autoria desconhecida mas sem dúvida escrita por alguém pertencente ao povo que habitava o sul do Iraque, os sumérios.

PATRICIA M. disse...

Anonimo, sim, pode me mandar curiosidades sobre os povos orientais. So queria deixar claro uma coisa: cabeca-de-toalha se refere a muculmano, nao a arabes. Logico que a maior parte dos arabes eh muculmana, mas nem todo arabe eh muculmano, assim como nem todo muculmano eh arabe.

Logo, nao interprete que nao gosto de todos os povos de todos os tempos que habitaram o Oriente Medio. O que retardou o crescimento desses povos, alias, o que esta causando regressao eh o radicalismo muculmano.

Abracos.

Um Paulistano disse...

Sr. anônimo
O Senhor não conhece nada de Gibran!
Ele Nasceu no Líbano e viveu a maior parte de sua vida nos EUA.
Inclusive Morreu nos EUA.
Gibran praticamente é Americano.
Gibran vem tomar conhecimento da cultura Muçulmana muito depois
de sua formação Ocidental. Sua referência principal é a Bíblia.
"cabeças-de-toalha" ele não é com certeza.
"Epopéia de Gilgamesh" escrita por um
Sumérios “cabeça-de-toalha”.
É pouco provável.
Diria impossível!!!

Anônimo disse...

"Você sabia que a obra literária mais antiga até hoje conhecida foi escrita, provavelmente, por um cabeça-de-toalha? trata-se da "Epopéia de Gilgamesh" de autoria desconhecida mas sem dúvida escrita por alguém pertencente ao povo que habitava o sul do Iraque, os sumérios."

Depois veio o Islã para destruir a cultura deles, dos persas etc...

PATRICIA M. disse...

Nao apenas para destruir a cultura dos antigos povos da regiao, mas o objetivo deles eh tambem destruir a nossa cultura ocidental. Vide Eurabia. Para quem quiser, tem um otimo artigo (em 2 partes) do Daniel Pipes no Midia Sem Mascara.

Ah, para os defensores do Islam, basta checar o que esta acontecendo em Darfur, in this very minute. Quem sao os agressores? Quem sao os barbaros?

Fábio Max disse...

Felis Páscoa, Patrícia!

Anônimo disse...

Quando generalizei o termo "cabeça-de-toalha, cunhado pela Patrícia, o fiz porque os árabes e os muçulmanos em geral, principalmente os do Oriente Médio são herdeiros de todas aquelas civilizações que passaram por lá, desde o alvorecer da história da civilização humana.

A poesia de Gibran tem influência islâmica, como tem influência cristã.

Os sumérios que habitavam o sul do Iraque eram politeístas, acreditavam em vários deuses. Empreguei o mesmo termo para eles pois representam um dos povos nativos que juntamente com os semitas originaram a grande civilização mesopotâmica, cujo legado cultural passou para os persas e destes para os árabes. Portanto, Patrícia, quando você se refere aos árabes muçulmanos tenha a certeza de que está se referindo a um povo e a uma cultura resultantes de um sincretismo religioso e cultural.

Os muçulmanos, Patrícia, respeitam tanto o judaísmo, como o cristianismo. Todos os profetas da bíblia, Jesus, Maria e etc estão presentes no Alcorão. Na mesquita Omíada, de Damasco, capital da Síria, existem três minaretes, um deles é dedicado a Jesus, o "Madinat Issa", em português, Minarete de Jesus. Dentro da Mesquita existe uma capela, onde, os fiéis, muçulmanos e cristãos acreditam que esteja a cabeça de São João Batista, santo tanto para cristãos, quanto para muçulmanos.

Anônimo disse...

Anônimo das 11:00 AM,

Os muçulmanos assimilaram a rica cultura persa, não destruíram nada.


Patrícia,

Você está , me desculpe a expressão, contaminada por essa "Mídia Sem Máscara". Essa Mídia é simplesmente repugnante. Gente odiosa, cheia de preconceitos. Em Darfur, Patríca, existe uma milícia que é sim islâmica e que pratica o terror. Os muçulmanos, no geral reprovam qualquer tipo de terrorismo. Não generalize, por favor. Não é porque o IRA era católico e praticava terrorismo que eu vou generalizar e dizer que todo católico é terrorista.

PATRICIA M. disse...

O termo cabeca-de-toalha eh do Janer Cristaldo, nao meu. Achei interessante.

Um Paulistano disse...

Sr. Anônimo
Nenhuma civilização se sobrepõe a outra sem destruir parte da outra. Isso não existe. Para que algo surja algo tem de desaparecer. O Islã destruiu parte da cultura dos povos que conquistou. Como todos conquistadores.
Foi mais tolerante sem dúvida, mas afirmar que não destruíram nada é muita mistificação. Não insista por essa Linha não tem base histórica. Outra coisa o senhor gosta de polêmica. Afirma erradamente uma coisa e depois o senhor mesmo aparece para esclarecer. De qualquer modo é uma boa maneira de esticar a polêmica.

PATRICIA M. disse...

Vamos partir do pressuposto que estamos conversando com pessoas esclarecidas e inteligentes.

Certo, nem todos os muculmanos sao radicais, nem todos os muculmanos sao terroristas. Mesmo assim, se observarmos os paises muculmanos, notaremos que se encontram a anos luz de distancia de nos, em termos de direitos humanos e liberdade de expressao.

Nao se trata apenas de terrorismo. Ha muculmanos religiosos nao terroristas que entendem que devem seguir as regras do mullah local. Ora, se o mullah local diz `as mulheres que elas devem cobrir o rosto, elas usarao o niqab. Vide caso da professora na Inglaterra. Devem dar aulas com o rosto coberto? NAO, nao devem. Se o mullah local diz que os motoristas de taxi nao devem ter passageiros com bebida alcoolica, deve o sujeito dirigir um taxi? NAO, nao deve.

Eh contra esse tipo de situacao que acho que temos que reagir e garantir que a religiao DELES nao interfira nas nossas vidas.

A partir de um momento em que um povo ou cultura se torna predominante em uma regiao, os principios deles eh que serao implantados, mesmo que a invasao nao se de por vias violentas. Eh esse tipo de coisa que vai acabar acontecendo por exemplo na Dinamarca ou na Holanda. Se os muculmanos sao maioria e concordam com a implantacao da sharia, por que nao implanta-la? Isso ainda vai demorar para acontecer, mas digamos que o processo ja comecou.

Anônimo disse...

Patrícia,

A sua preocupação não procede. A sua visão é a da guerra entre ocidente e oriente, propagada tanto pelos radicais de lá, como pelos radicias de cá. Comunidades islâmicas de países europeus, como Holanda e Dinamarca, estão sujeitas às mesmas leis que qualquer cidadão nativo daqueles países. Essas comunidades, como acontece aqui no Brasil, estão se aculturando. Isso aconteceu também na Andaluzia, entre os séculos VIII e XV da nossa era, onde cristãos, muçulmanos e judeus conviviam harmoniosamente. A cultura islâmica que se desenvolveu naquela região era bem diferente da cultura islãmica do Oriente Médio. Da mesma maneira o islamismo que se desenvolveu na região da India e Paquistão era diferente, pois absorveu a cultura local dos hindus.

Mais uma vez, Patrícia, quando você coloca nesses termos de uma guerra entre valores ocidentais e valores orientais, está fazendo a mesma coisa que os "Bins Ladens" de lá.

Blogildo disse...

Anônimo, se não existe uma guerra entre valores orientais e ocidentais, como você explica o avanço do Islamismo na Europa? Um processo 'normal'?

Anônimo disse...

Blogildo,


Considero normal, sim. Na medida em que imigrantes entram,legalmente, nos países europeus o que ocorre é uma troca de valores entre culturas diferentes. Sem dúvida que os muçulmanos são muito mais religiosos que nós aqui do ocidente. Para eles a religião é importante. Não estou querendo dizer que sejam fanáticos por isso. Para o homem ocidental, principalmente de países como Holanda e Dinamarca a religião não é tão importante.


Vale lembrar que o avanço de uma religião muitas vezes se dá sem violência. O avanço do Islamismo em países como a Indonésia (país com a maior população muçulmana do mundo), Malásia e outros daquela região do globo não se deu por guerras. Foi difundido por comerciantes indianos e persas; "verbalmente", na santa paz. O Islã sempre foi tolerante com relação a outras religiões, principalmente com aquelas dos povos do Livro, termo que utilizavam para se referirem aos judeus e cristãos.


Não acredito que o islamismo vá avançar tanto e da maneira como supõe aqueles que apregoam essa tal guerra de valores. As nossas conquistas feitas com os adventos do iluminismo, e da revolução científica dos séculos XVII estão bem enraizadas, apesar de vez ou outra surgirem momentos de desconfianças com relação a esses valores e uma tendência a um retorno de idéias místicas e holísticas. Até mesmo a nossa Igreja teve de se render a esses avanços. Veja o que era a Igreja, na Idade Média e veja o que é a Igeja, agora. O próprio Islamismo, nesse ponto prega que o conhecimento caminha junto com a crença em Deus. Eles abraçaram a filosofia grega na Idade Média e fizeram muitos progressos, se comparados com a Europa Medieval. Acho que, com o tempo, o islamismo que se desenvolver na Europa ou EUA vai ser um Islamismo diferente; adaptado a realidade e às leis daqueles países. Um pequeno exemplo é o islamismo que já existia, faz tempo, entre parte da comunidade negra dos EUA; é um islamismo, vamos dizer assim, bem diferente do islamismo do Oriente Médio, por exemplo.

PATRICIA M. disse...

A "paz" na Europa:

http://br.noticias.yahoo.com/s/10042007/40/mundo-relatorio-revela-europa-sofreu-500-ataques-terroristas-2006.html

"Apesar de nenhum ataque islamita ter obtido êxito em 2006, a metade das detenções está relacionada a grupos fundamentalistas (257), seguidos de separatistas (226).

A grande maioria das detenções aconteceu na França (342), no Reino Unido (156) e na Espanha (85).

Para o Europol, o alto número de detenções de islâmicos demonstra que esse tipo de terrorismo é "a prioridade clara dos Estados-membros"."

Anônimo disse...

Patrícia,

Em primeiro lugar, fundamentalismo não significa terrorismo. A maioria dos fundamentalistas não são terroristas. Eles apenas levam a religião mais "ao pé da letra" digamos assim, o que não significa que são adeptos da violência. Em segundo lugar, quantos desses detidos estão envolvidos realmente em atos terroristas? Na Inglaterra, por exemplo, a polícia, simplesmente, até pouco tempo atrás, está invadindo a casa de muçulmanos sem uma única prova de lá havia terroristas; invadia simplesmente porque eram islâmicos que lá moravam. Lembre-se do caso do brasileiro que foi morto por policiais inglêses, porque tinha aparência de um árabe.

PATRICIA M. disse...

Anonimo, esse sera o ultimo comentario sobre o assunto, que ja considero esgotado. Primeiro, o brasileiro nao foi morto porque se parecia com um arabe, isso eh ridiculo. O brasileiro foi morto porque correu, porque pareceu suspeito para a policia naquele instante. Tragico, mas acontece.

Segundo, parece que voce nao segue noticias. Viu a confusao na Gare du Nord na Franca? Voce foi a Europa? Voce vai aos suburbios parisienses, onde nem a policia chega mais? Quer mais informacao, leia a otima cronica do Janer Cristaldo aqui.

http://cristaldo.blogspot.com/2007_04_01_cristaldo_archive.html#117617193413276315

Mas olha, o assunto ja deu o que tinha que dar. Parando por aqui, um abraco, e obrigada pela participacao na discussao.

Anônimo disse...

Patrícia,

O brasileiro não correu, ele foi seguido!! Nem que ele tivesse corrido e mesmo sendo suspeito, justificaria a polícia agir como agiu. Quer dizer, então, que basta correr e ser suspeito, para a polícia imobilizar um cidadão dentro de um vagão do metrô e atirar não sei quantas vezes, e, ainda, à queima roupa? Acho muita falta de sensibilidade de sua parte escrever que foi “trágico, mas acontece”!!! Lamentável!!! Já fui a Europa, sim; e, principalmente, Paris. Apenas por curiosidade, lá eles dão muito valor à cultura árabe. Tem até um centro cultural dedicado a cultura daquela região. Os imigrantes que moram nos subúrbios de Paris, Patrícia, são trabalhadores; muitos são franceses, muitos são filhos de imigrantes. A França precisa deles para os serviços mais pesados, como na ampliação do metrô e etc.

A confusão na Gare du Nord descrita no blog do Cristaldo, nada tem a ver com o crime cometido pelos policiais ingleses. Os imigrantes que entram na Europa estão lá por falta de opção em seus países nativos, a maioria entra na Europa legalmente. A França tem interesse na mão-de-obra dessas pessoas. Os distúrbios ocorridos nos subúrbios parisiensis refletem problemas sociais que a França está tendo dificuldade em resolver.

Gostei de ter participado dessa discussão. Espero que você comece a ler outras mídias, menos tendenciosas do que “Mídia Sem Máscara” ou “De Olho na Mídia” (quando falo dessas duas mídias é por que já as conheço há um tempo). Sugiro alguns sites interessantes, para que você faça um julgamento mais justo dos problemas relacionados ao mundo árabe/islâmico. Dê uma uma boa navegada antes de fazer qualquer tipo de consideração.


http://nakba.sis.gov.ps/english/index.html

http://www.ajds.org.au/

http://carosamigos.terra.com.br/

http://www.alnakba.org/

http://www.icarabe.org/

http://www.barghouti.com/


Abraços!!


PS pelo que eu entendi você não quer mais que eu escreva no seu blog. OK! Pelo jeito os meus comentários te incomodaram um pouco.

PATRICIA M. disse...

Anonimo, eu te dei o espaco para resposta. Eu so nao acho que vale a pena estender a discussao, por alguns motivos: 1) o post ja esta carregado de comentarios, e daqui a pouco ele sera arquivado; 2) nem era esse o assunto do post; 3) chegamos a um impasse.

Eu nao concordo com a sua visao sobre o ultimo incidente da Gare du Nord. Nao acho que eram trabalhadores agredidos pela policia, acho que eram desocupados violentos fazendo baderna.

Meu amigo, eu nao leio jornalismo petralha. "Caros Amigos" para mim eh impossivel, nao consigo nem passar os olhos sem antes ter um achaque.

Ja que voce me recomendou sites, entre voce tambem nos seguintes:

http://jihadwatch.org
http://observatoriodajihad.blogspot.com/

Pronto, estamos quites, creio eu. Pode continuar frequentando, se quiser. Mas a nao ser que eu poste alguma coisa especifica sobre o assunto de terrorismo (ate acho que vou postar, com os ultimos incidentes na Argelia e no Marrocos), nao temos porque continuar o papo aqui. Ate!