domingo, 1 de abril de 2007

Eu Tambem Sou John Doe

Por Michelle Malkin (The John Doe Manifesto).

Dear Muslim Terrorist Plotter/Planner/Funder/Enabler/Apologist,

You do not know me. But I am on the lookout for you. You are my enemy. And I am yours.
I am John Doe.
I am traveling on your plane. I am riding on your train. I am at your bus stop. I am on your street. I am in your subway car. I am on your lift.
I am your neighbor. I am your customer. I am your classmate. I am your boss.
I am John Doe.
I will never forget the example of the passengers of United Airlines Flight 93 who refused to sit back on 9/11 and let themselves be murdered in the name of Islam without a fight.
I will never forget the passengers and crew members who tackled al Qaeda shoe-bomber Richard Reid on American Airlines Flight 63 before he had a chance to blow up the plane over the Atlantic Ocean.
I will never forget the alertness of actor James Woods, who notified a stewardess that several Arab men sitting in his first-class cabin on an August 2001 flight were behaving strangely. The men turned out to be 9/11 hijackers on a test run.
I will act when homeland security officials ask me to "report suspicious activity".
I will embrace my local police department's admonition: "If you see something, say something".
I am John Doe.
I will protest your Jew-hating, America-bashing "scholars".
I will petition against your hate-mongering mosque leaders.
I will raise my voice against your subjugation of women and religious minorities.
I will challenge your attempts to indoctrinate my children in our schools.
I will combat your violent propaganda on the Internet.
I am John Doe.
I will support law enforcement initiatives to spy on your operatives, cut off your funding and disrupt your murderous conspiracies.
I will oppose all attempts to undermine our borders and immigration laws.
I will resist the imposition of sharia principles and sharia law in my taxi cab, my restaurant, my community pool, the halls of Congress, our national monuments, the radio and television airwaves, and all public spaces.
I will not be censored in the name of tolerance.
I will not be cowed by your Beltway lobbying groups in moderates' clothing. I will not cringe when you shriek about "profiling" or "Islamophobia".
I will put my family's safety above sensitivity. I will put my country above multiculturalism.
I will not submit to your will. I will not be intimidated.
I am John Doe.

Os clerigos islamicos que foram retirados do aviao da USAirways por terem um comportamento para la de suspeito estao tentando processar nao apenas a companhia aerea, mas os john does que os denunciaram.

Nos estamos de olho e nao iremos nos acovardar. IF YOU SEE SOMETHING, SAY SOMETHING!

7 comentários:

Frodo Balseiro disse...

Patricia
Poucas vezes vi uma POSIÇÃO tão solidamente colocada!
Isso é que é se posicionar com respeito à balela "politicamente correta"!
Precisamos de mais "John Does" usando as pavras com seu significado exato, e mais que isso, agindo de acordo com as palavras, pouco se importando se elas são gentis e socialmente adequadas!
Abs
Frodo

Saúvo Carrapatoso disse...

Falaram e disseram. Tudo o que estava entalado acaba de ser solto no instante em que li este manifesto.

Catellius disse...

John Doe,
Belo post, mas eu preferia seu nome anterior. Mais feminino, sei lá!
Divulgue aí, he he.
Abs

Blogildo disse...

Doa a quem doer: I'm John Doe! Rsrsrsrs!

PATRICIA M. disse...

Eh, posso trocar o nome para JANE Doe, hahahahahahahaha. Eu adorei muito esse texto da Malkin. Pegou no ponto certo.

Os Estados Unidos NAO SAO a Europa. Nos NAO vamos ser condescendentes com os muculmanos. Nao podemos ser. Nada de multiculturalismo de almanaque. Voces estao aqui, respeitem os NOSSOS costumes. Nao querem, a porta do aeroporto eh a serventia da casa, voltem a seus paises de origem. Passar bem.

william disse...

Patrícia, respondendo o seu comentário: eu também não era de fazer caridade, sempre achei que seria dar dinheiro para vagabundo beber, mas... Estou me obrigando a mudar.

Anônimo disse...

Patrícia,

O Islamismo não prega o terror como quer essa tal Malkim. Terrorismo no mundo islãmico não é regra, mas excessão. A maioria do povo islãmico são gente honesta e trabalhadora. Então não venha com essa de querer passar a idéia de que terrorismo tem a ver com islamismo. Isso não cola. Essa Malkin deve ser tão ignorante com relação a religião quanto você, que confessou no post anterior. Indique aquele livro para ela, por favor.

O que dizer do terrorismo de Estado praticado por EUA e Israel. Vá ver como o governo sionista trata os palestinos nos territórios ocupados. Por falar nisso, você já assistiu ao documentário "Promessas de um novo mundo"? Se não, assista imediatamente. O filme é sobre o encontro entre crianças judias e crianças palestinas que moram em um campo de refugiados. Só para te tranquilizar esse documentário foi feito por dois judeus. Vá ver como os palestinos que residem em Israel são discriminados nas escolas, no trabalho. Se quiser te mostro um relatório do Governo americano apontando as discriminações sofridas por cidadãos árabes residentes em Israel. Não se esqueça também, de como cidadãos iraquianos foram torturados por soldados americanos a mando de altas autoridades do governo do senhor Bush. Quantos presos, sem uma única prova, ainda permanecem incomunicáveis em Guantánamo!!!???

Deixe o seu preconceito de lado e procure obter informações de outras fontes. Para uma pessoa que gosta tanto de literatura e poesia como você, soa mal escrever com tanto ódio e menosprezo sobre um povo e uma religião que mal você conhece.