terça-feira, 3 de junho de 2008

Deus? Eu? Não, Sou O Grande Ford!*

Já que o assunto está na moda...

Já Roger Kornberg disse que o papel do cientista é "descobrir informação" e a responsabilidade da sociedade é "regular a aplicação dessa informação".

(leia-se: os cientistas só estão interessados na própria glória. A população que se vire depois para regulamentar os que os malucos criarem. A palavra ética passa loooonge...)

Segundo Kornberg, conseguir pessoas perfeitas e sem doenças "é um objetivo que todos pretendemos". Ele disse acreditar que um dia "sejamos capazes de prevenir e curar as doenças, inclusive a velhice".

(leia-se: Admirável Mundo Novo vem aí, em breve. Não nas telas do cinema, mas na vida real.)

E o supremo delírio do sujeito: "As descobertas melhorarão a condição humana e os requisitos para chegar à perfeição", disse Kornberg.

Não são quaisquer cientistas malucos coreanos não. São ganhadores do Nobel.

Leia o resto aqui.

* Se não leu o livro, não vai saber quem é o todo-poderoso Ford...

5 comentários:

PATRICIA M. disse...

Reinaldao, claro, sintetiza tudo com perfeição:

http://veja.abril.com.br/blogs/reinaldo/2008/06/sobre-o-mundo-dos-vivos-suas-imperfeies.html

PATRICIA M. disse...

E tenho de reproduzir o trecho de Memorias de Adriano, de Marguerite Yourcenar, que ele cita:

“(...) Quando tivermos reduzido o máximo possível as servidões inúteis, evitando as desgraças desnecessárias, restará sempre, para manter vivas as virtudes heróicas do homem, a longa série de males verdadeiros: a morte, a velhice, as doenças incuráveis, o amor não partilhado, a amizade rejeitada, a mediocridade de uma vida menos vasta do que nossos projetos e mais enevoada do que nossos sonhos. Enfim, todas as desventuras causadas pela divina natureza das coisas”.

Eu li esse livro há muitos anos atrás, deveria relê-lo...

Frodo Balseiro disse...

Patricia, brincar de deus é o fim da picada.
Agora, já imaginou o pessoal brincando de Deus cá embaixo na banânia?
Sai de baixo!

PATRICIA M. disse...

Frodo, bem que podiam clonar o Mulla, ne, ai o Brasil ia ter um imperador perpetuo! Olha que maravilha!!!

Painho dos "pobri" pelo resto da eternidade...

Blogildo disse...

"Kornbleeeeerg".