quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Confissoes

Eu nao gosto da TAM e evito a todo custo ter de voar pela companhia. Ha um unico fator que me faz voar pela TAM: preco baixo. Como eh relativamente dificil encontrar precos mais baixos que os da concorrencia na TAM, eh relativamente dificil me ver voando pela empresa. Detalhe: nao gosto da TAM desde a epoca do Rolim. Achava uma baboseira tremenda aquele negocio de oferecer tapete vermelho e talher de metal cobrando aquelas passagens a precos estratosfericos.

Eu nao gosto da Airbus. Prefiro 10 mil vezes voar de Boeing. Nao gosto da Airbus ha bastante tempo, nao foi por causa do acidente com a TAM. Digamos que nao sinto muita confianca em um consorcio europeu cheio de disputas internas e controlado pelos governos dos respectivos paises. Confio mais na iniciativa privada. Estava torcendo pelo sucesso do 787 Dreamliner da Boeing - sucesso merecido e alcancado. Enquanto isso, o jato megalomaniaco da Airbus teve varias vendas canceladas e ainda nao saiu do galpao. Tipico elefante branco.

13 comentários:

Anônimo disse...

Patricia M. ;)

Existe um documentário sobre o Airbus 380 no Discovery Channel. O filme mostra várias partes do avião, fabricadas em diferentes países, viajando pela Europa até chegar na fábrica de montagem na França. As partes viajam de caminhão, barco e algumas de avião. Do ponto de vista da logistíca, não demora muito para perceber que a fábrica de montagem está em local completamente equivocado, o que evidencia uma decisão política. Chega a ser engraçado ver grandes partes do avião passando a menos de 1 metro (no kidding) das casas numa pequena vila Francesa que está no caminho – um acontecimento na vila, até mesmo motivo de festa. Em resumo, uma situação patética.

Vinicius

Funes, o memorioso disse...

Companhia aérea brasileira, para mim, é a "Varig".
Já não existe, pois não?
Mas faz parte do meu imaginário infantil.
A "Varig", a "Cometa" e O "Instituto Universal Brasileiro" tinham os meus anúncios favoritos nos livrinhos de banda desenhada da Disney. Os que se vendiam em Portugal na época, o "Mickey", o "Pato Donald" e o "Tio Patinhas", vinham do Brasil.
Nas páginas centrais vinham sempre o anúncio dos cursos por correspondência do "Instituto Universal Brasileiro":
- "Dantes, eu era um humilde plantador de batata lá no sertão. Agora fiz o curso de electrônica do IUB e estou consertando rádio e tv de válvula e transistor. Chego a tirar até 200 cruzeiros mês. Eu agardeço ao IUB". - diziam os testemunhos.
"É gostoso gostar de Galak" - dizia outro anúncio, agora a chocolate branco.
O meu favorito era um que tinha uns quadradinhos com dois meninos a conversar na rua. Um deles dizia que ia passar férias oa Rio com o pai e que iam na "Cometa". O outro gozava-o:
- Seu pai não tem carro, seu pai não tem carro, seu pai não tem carro!
De repente, o pai do outro surgia num carro de luxo e levava o fillho.
O primeiro ficava espantado:
- Pôxa, papai tem um carrão e vai na "Cometa"! Deve ser legal à beça mesmo!"
Desde os tempos dos quadradinhosd a Disney que companhai aérea brasileira, para mim, é a "Varig".

Blogildo disse...

Até hoje eu só voei pela TAM. Ainda na época do Rolim. Hoje não viajo mais de avião.
Quando eu conseguir traçar um bom plano para fugir do país espero que a aviação esteja melhor.

PATRICIA M. disse...

Funes, uauuuuuuu, essa voce tirou do fundo do bau. Vou te dizer, conheco TODOS esses anuncios. Sempre quando passava ferias na casa da minha avo no interior, ia ao quarto que foi do meu tio ler revistas em quadrinho. As revistas eram antigas, obviamente, e a grande maioria era da Disney. Acho que ate da para fazer um post sobre esse assunto. Valeu por resgatar essas lembrancas do fundo do bau!!!!!!!

PATRICIA M. disse...

Funes, a Varig ja era... A Cometa ainda existe. Modernizou os onibus. Por um longo tempo, e nao sei porque cargas d'agua, os donos se recusaram a mudar aquele mesmo modelo que aparecia nas revistas em quadrinhos (o Flecha de Prata - sempre curti esse nome!). Ai ela foi vendida e os novos donos modernizaram a companhia.

Cláudio disse...

Eu trabalhei por 11 anos na Varig e só tenho uma coisa a dizer: ela demorou para quebrar graças às infinitas ajudinhas do governo federal. Vão por mim: não gastem suas lágrimas por ela. Aquilo era um business case de como não administrar uma empresa.

PATRICIA M. disse...

Claudio, eu era mais corajosa: eu voava de VASP, hahahahahahaha. Aquele 737 pesadao bufava para sair do chao, mas era um Boeing.

Sempre detestei a Fundacao Rubem Berta, totalmente incompetente na gestao da Varig. Mais um vez prova que gestao de empresas deve estar nas maos de gerentes profissionais, e nao de fundacoes beneficentes e coisas do genero.

Fábio Max Marschner Mayer disse...

Pior é que a TAM, dentro do Brasil, é sempre a mais cara das companhias...

Fábio Max Marschner Mayer disse...

Interessante essa teoria sobre oa aviões Airbus e Boeing...

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

Mas o eleitor brasileiro viaja mesmo é na Maionese.Hellmann's a verdeira maionese.Plim!

Carlos disse...

Patricia,
Um dado interessante para você: dos dez maiores acidentes da história da aviação (não considerando Sep/11), 5 envolveram Boeing, 2 Douglas e 1 Lockheed, matando 2971 pessoas. 1 envolveu um Airbus com 290 pessoas quando o navio USS Vincennes atirou um míssil no avião da Iran Air no Golfo Pérsico em um incidente mal explicado até agora. De qualquer forma estes árabes mereceram por voar em um avião tão ruim.

Costajr disse...

Não viajo muito de avião. A primeira vez foi em 1998, foi pela TAM e foi horrível. Em Recife, o bicho tava taxeando e de repente... um freio brusco, um barulho e um solavanco para frente, fiquei assustado. Desci em Guarulhos, foram 3 horas de angústia. Voltei de VASP, horrível.

Depois voei de GOL, é mais barato e nunca tive susto, mas sempre viajei com medo.

Suzy disse...

Patrícia, sempre evitei a TAM. Mas hoje no Brasil a ANAC permite o oligopólio da TAM e da GOL. Isso é que é desrespeitar o direito de ir e vir.
Também sou muito mais a Boeing e não suporto nenhum projeto megalômano, logo desconfio.
Beijos