quinta-feira, 5 de julho de 2007

Do Destino

Ah pois eh... Eu poderia falar de Renan & Roriz, a dupla caipira do Senado, mas estou com uma preguica danada de escrever sobre isso. De vez em quando posto algo sobre politica n'O Apaniguado, entao voces deem uma olhada por la.

Estava divagando esses dias, ja que me tem sobrado tempo livre. Eu ate prefiro nao ter tempo livre, entendem, sou uma daquelas pessoas que gosta de estar 100% do tempo ocupada, assim nem tempo para pensar eu tenho. Mas, enfim, vamos ao que eu estava pensando.

Eu nao acredito em destino propriamente dito, mas tambem nao acredito no livre arbitrio total. Explico. Creio que nascemos com uma quantidade limitada de futuros possiveis, e ao longo da vida vamos escolhendo esse e esse caminho, evoluindo aqui e ali, e a arvore vai se ramificando, alguns caminhos vao sendo definitivamente fechados enquanto novas picadas vao sendo abertas. Por exemplo, em termos de carreira, nao havia a menor possibilidade de eu me dedicar à Medicina. Totalmente fora de questao, sempre tive pavor de ver sangue desde crianca. Tambem nunca seria uma fisica nuclear com potencial de um Premio Nobel. Mas la atras, quando fiz vestibular, havia a possibilidade de eu ser engenheira, advogada, administradora, economista, e por ai vai. Escolhi a Engenharia. Comecei a trabalhar como engenheira, mas, por um golpe de sorte, descobri a verdadeira vocacao: fui trabalhar no mercado financeiro. Hoje, o caminho da Engenharia esta praticamente fechado, nao ha mais volta. Mas outros se abriram, obviamente.

Vale o mesmo para a vida pessoal. A questao toda eh saber aproveitar as oportunidades que aparecem pelo caminho. Muita gente fecha a porta a essas novas oportunidades. Muita gente insiste em um caminho errado, que nao vai levar a lugar nenhum, e talvez ate traga dissabores futuros. Esse pessoal costuma se arrepender mais tarde por ter perdido o bonde. O pior de tudo eh que vale mais um daqueles celebres ditados populares: um raio nao cai duas vezes no mesmo lugar. Ou a sorte nao bate duas vezes à mesma porta.

Dizia um dos meus professores do MBA: tenha sempre um gol a ser atingido, mas enquanto caminha em direcao ao gol, nunca deixe de olhar ao seu redor.

13 comentários:

Frodo Balseiro disse...

Patrícia
Não acretito nessa coisa de que temos apenas alguns destinos!
A existência é um livro a ser escrito, logo ao nascer.
As pessoas escolhem. Podem ser escolhas boas, ou más. Mas são sempre elas que desenham o que vai acontecer.
Sorte, empenho, o imponderavel tambem influem.
Coragem é o nome do jogo! E trata-se de um jogo!
" Audaces fortuna juvat"
Abs
Frodo

Fábio Max Marschner Mayer disse...

Sabe que também acredito nisso, um livre arbítrio com cerca limitação?

Pena que, olhando em perspectiva, cometi um monte de erros nas horas de escolher certas opções, mas digo isso apenas para reforçar essa idéia, certos carreirinhos das estradas se fecham, após algumas escolhas e, se isso é bom ou mal, só no futuro é que sabemos.

De qualquer modo, é preciso ser corajosa para mudar de rumo, como você disse que mudou... isso não é arbítrio, é mérito!

Blogildo disse...

Eu gostei da maneira que vc abordou essa questão. Concordo com você. Não existe essa de destino. Mas é óbvio que também não temos todos os caminhos possíveis e imagináveis diante de nós. Quando a gente nasce uma série de coisas já estão definidas a priori.

Uma ratazana asqueirosa pode ser chef de cozinha em Paris? Ratatoille responde. Rsrsr!

Cejunior disse...

Patrícia, concordo com você sim! Veja só meu caso: comecei o curso de economia. Tranquei a matrícula e fiz vestibular para Direito. Fiz o curso e trabalhei a vida inteira na área de adminstração financeira!!!!
Vá entender!!!
Acho que o grande problema é que cada vez temos que decidir o que vamos ser na vida com muito pouca idade e falta de experiência.
E acabamos cometendo uma série de erros que hoje evitaríamos...
Um beijo.

PATRICIA M. disse...

Blogildo, sabe que depois que fiz o post continuei a pensar mais um pouquinho. Lembrei uma cena do Homem Aranha 3 (nossa, que cult!) em que o Sandman discute com nao sei bem quem o fato de que "ele nao tinha escolha, por isso matou o tio do Spidy". E ai a pessoa rebate dizendo que sempre temos escolhas, sempre.

Sempre temos escolhas, mesmo que sejam apenas dois os caminhos a nossa frente, há sempre uma alternativa. E em termos pessoais, ha sempre a escolha entre o Bem e o Mal.

PATRICIA M. disse...

Fabio, nem sempre eh coragem, as vezes eh o que chamamos de "sorte". A oportunidade aparece, voce analisa a situacao atual, e conclui que prefere se lancar na empreitada a frente mesmo sendo totalmente desconhecida para voce do que ficar no status quo. Foi isso o que aconteceu quando troquei a engenharia em Lages pelos bancos em Sampa, hehehehehehe.

Blogildo disse...

Falando nisso, você já leu o ensaio de Bruno Snell intitulado "O símbolo do caminho"?
Tem tudo a ver com as escolhas que temos diante de nós.
Eu o digitei e postei no meu "outro blog". É longo!

Costajr disse...

E quem disse que mudar os ares, as perspectivas, não estavam em nosso destino?

PATRICIA M. disse...

Costa, voce diz exatamente escrito, do jeito que deveria ser ("Maktub")? Acho que ai simplesmente poderiamos alegar que nao somos responsaveis por nossos atos, e que Deus apenas brinca de "puppets" conosco. Nao creio que seja assim, Ele nos da espaco para agirmos e escolhermos de certa forma o nosso futuro. Nao faria sentido viver se tudo ja estivesse escrito, e seriamos eternas vitimas choramingas...

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

Fiquei preocupado com o destino do Pablo.Cheguei aqui e dei-lhe uma baita banho, depois dei uns peixinhos.Ele achou ótimo!
...
E o melhor é que escolhamos mesmo, pois se não o fazemos tem sempre alguém próximo doidinho para fazer nossas escolhas, e o pior é que as vezes aceitamos inconscientemente.

Leroy disse...

Só por curiosidade...
Você não acredita em Astrologia?

PATRICIA M. disse...

Leroy, obvio que nao, hahahaha.

Costajr disse...

Sim, nós temos escolha. Mas talvez o destino esteja por trás de nossas escolhas, vai saber.

Deus brincar com a gente? não, acho que ele tem mais o que fazer

um abraço.