segunda-feira, 7 de maio de 2007

A Arte de Fingir

Ou a volta dos que nao foram.

Da AE: "No primeiro balanço dos 100 dias do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que será feito hoje, no Planalto, o governo vai minimizar dois fatos: que há dificuldades no andamento de pelo menos 30% das obras previstas no programa e que apenas duas das nove Medidas Provisórias já foram aprovadas pela Câmara e pelo Senado. Sem uma novidade imPACtante, o governo deve bater na tecla de que, depois do anúncio do PAC, no final de janeiro, ninguém mais duvida que o crescimento deste ano deverá ficar em 4,5%. "

Esta ai a confissao que gostariamos de ter: nao ha PAC algum. O PAC nada mais eh do que uma campanha de marketing do governo, mais uma alias. Segundo Franklin Martins, aquele da TV Novilingua do governo Lula, "O PAC mudou o cenário macroeconômico, forçou o governo a melhorar sua gestão e estimulou os empresários".

Ok, esta combinado entao: voces fingem que governam e a gente finge que acredita...

10 comentários:

Blogildo disse...

O PAC é o Fome Zero do segundo mandato. Só marketing!

Frodo Balseiro disse...

Não é só isso Patrícia! Faz parte da campanha do Mollusco Apedeuta, atribuir tudo, ao sucesso do PAC.
Por exemplo queda dos juros, aumento do crédito, melhora na expectativa do empresário industrial estão sendo creditados ao "sucesso" do PAC, que, diga-se de passagem, não passou nem à fase dos projetos, estão ainda no plano da intenção!

Funes, o memorioso disse...

É estranho!
A Patrícia faz referências ao Palácio do Planalto e fala em Lula e Franklin Martins, mas eu tenho a sensação que está a falar da política portuguesa.

gilrang disse...

m., dear,

that is a crystal clear confession!...

things ar not working in this administration. they never did and they never will. except for telling lies, favoring relatives and some "aloprados", misusing their positions to aid their bank accounts, etc., they have done nothing...

this pac is just smoke to erase the footprints (or should i say fingerprints?) they leave behind them...

william disse...

Repetindo bastante, as pessoas passam a acreditar. Ou a, pelo menos, duvidar de que seja mentira...

PATRICIA M. disse...

William,

Goebbels e sua propaganda de massa?

william disse...

Patrícia,

Acabo de ler, no De Olho na Mídia, que a patente é britânica:

http://www.deolhonamidia.org.br/Publicacoes/mostraPublicacao.asp?tID=363

Leia a citação de Hitler:

"Hitler de maneira admirada, notou o precedente britânico no seu livro, Mein Kampf (1925): 'no inicio as reivindicações da propaganda [britânica] eram tão descaradas que as pessoas as achavam insanas; depois, davam nos seus nervos; e no final acreditavam'."

(Quanto ao mais, tenho de entregar um trabalhinho até a meia-noite, estudar para a prova de amanhã às 7h25 -- é a antepenúltima prova do meio do semestre -- e, amanhã, terei de elaborar um seminário para quinta-feira. Logo, não tenho tempo para escrever nada no nosso Apaniguado.)

Costajr disse...

Desde o começo ficou claro, para nós que enxergamos esse governo como ele é de fato, a saber, uma falácia; que esse PAC era antes propaganda que Programa de Crescimento. O PAC da Era II de Lula terá o mesmo efeito que o Fome Zero, da Era I.

um abraço.

william disse...

Ai minha língua que não se segura dentro da boca! Fui falar demais, já me apareceram seus leitores petistas no meu blog! "O PAC é di verdadi! O PAC é di verdadi!"

Fábio Max Marschner Mayer disse...

Ontem eu ouvia na CBN o comentário do Sardenberg, muito pertinente.

Ele avisou que o governo juntou todas as ações do PAC numa lista só, para chegar ao resultado de "satisfatório", mas misturou construção de usina hidroelétrica (as duas em RO, paralisadas) com aprovação de medida provisória (a da correção da tabela do IR) como se fosse tudo igual em termos de dificuldade, burocracia e resultado prático.

O comentarista deixou patente que:

a) As medidas legislativas estão andando a passo de tartaruga no Congresso;
b) As obras de infraestrutura estão praticamente paradas.

O "sucesso" encontra-se apenas em medidas pontuais que são tratadas diretamente pelo Executivo, sem necessidade da anuência do Legislativo.

Ademais, incluiu-se na lista a queda dos juros, que não é política de governo, mas política monetária.

Enfim, o governo trabalha com a ignorância da população que não está nem aí para o noticiário político, bem como com o fato de que a macroeconomia vai de vento em popa, dadas as ótimas condições internacionais.

Mentiras contadas seguidamente...