segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Paris, Paris! - Parte IV

Onde estava mesmo? Ah, me lembrei, estava na parte em que o oficial frances jogou o chihuahua em cima da gente, haha. Nao, foi um cocker. De qualquer forma, deixe-me retomar o fio da meada.

O resto da viagem foi tranquilo. Em Dover, pegamos o ferry que nos levou ate Calais. O detalhe eh o seguinte: voce nao pode ficar dentro do bumba, tem que sair. La em cima eh legal, tem umas poltronas espalhadas, um bar, um lounge com musica e videogames, e mais o free shop.

Tomamos cerveja e eu ainda dormi um pouco em um sofa. A viagem de ferry durou 90 minutos cravados. Dai entramos no onibus novamente e foram mais umas 4 horas ate Paris. Ou seja, de Londres a Paris de bumba eh como de Sao Paulo a Belo Horizonte: gastam-se em media 8 horas de viagem. So que ha posto de imigracao, ferry e chihuahuas no meio do caminho - e nao uma pedra.

Eram 6 da matina quando chegamos a Paris. Um frio de lascar, e havia um ventinho encanado naquela rodoviaria que gelava os ossos. Fomos para o metro e chegou a grande hora de eu colocar o meu frances enferrujado em pratica.

Havia uma fila imensa para se comprar o bilhete do metro com uma funcionaria no guiche. E nenhuma fila para se comprar na maquina. Ao contrario de Londres, em Paris nao se acha um unico mapa do metro, nada nada nada nas estacoes. Senao teria pego um folheto de tarifas, olhado no mapa as estacoes, e comprado o bilhete na maquina. Como nao tinha informacao nenhuma, tive de esperar pacientemente na fila, sentindo o ventinho gelado nas costas, para comprar com a menina.

Nesse meio tempo, havia 3 brasileiros na nossa frente. Ficamos conversando, mas eles estavam mais perdidos que a gente, hehe. Compraram o bilhete ilimitado valido por 1 dia, e nos desejaram boa sorte. La fui eu arranhar o frances.

- I getta go to this address (e mostrei o papel impresso da internet com o endereco do hotel pelo vidro), and I don't know where it is.
- (ela olha e olha pelo vidro) Wait a minute.
- Here, take the paper with you (e coloco o papel por baixo da janelinha do guiche).
- (ela procura no computador o nosso endereco, e depois de uns minutos...) You are here (e circula num mapinha de metro a estacao da rodoviaria), and you're going here (e circula a nossa estacao de destino no unico mapa do metro de Paris que tive na viagem).
- Ok, is it zone 1-2? (zonas centrais de Paris)
- Yes.
- How much is the ticket?
- 1.50 euros each. How many do you want?
- (e ai a estupida aqui, depois de ter conversado todo esse tempo em ingles com a francesa, faz um sinal de 2 pela janelinha - ridiculo!!!!!)
- ?!?!
- Deux billets!

Mr. X, nao preciso nem dizer, tirou a maior onda da minha cara. Entao, conversando o tempo todo com a menina em ingles - alias, quem disse mesmo que frances se recusa a falar ingles? Falei MUITO ingles na Franca, e fui super bem tratada, mais um paradigma quebrado - para no final fazer sinal com as maos como se fosse uma ignorante? Hahahahahaha.

E la entramos nos no metro, rindo para variar um pouco da situacao. Tirei uma foto depois com o sinal de 2, so para ficar gravado e rirmos mais nos anos vindouros...

8 comentários:

gilrang disse...

m.,

mon dieu!!!... quel horreur!...

ái am uêitingue parrrt çânque uíz grrrêit currriositíí... (pardon my english)

Daniel F. Silva disse...

Tenho medo de trocar o idioma na hora errada. Já pensou se o ouvinte não for com a minha cara?

Cláudio disse...

Gostei dos parisienses e também não tive dificuldades com idioma. Pelo contrário, só encontrei gente disposta a a fazer a comunicação fluir. Até mesmo os garçons eu achei simpáticos.

Quanto ao metrô, não sei o que se passou. Todas as estações que eu vi tinham um mapa das linhas e também um da vizinhança para a pessoa se situar.

Boa dica é o site da empresa ferroviária, http://www.ratp.fr. Ele te dá preços, alternativas de bilhetes e monta itinerários com base nos critérios que você desejar.

Fernando Sampaio disse...

Até que você deu sorte. O problema aqui na Europa é que justamente as pessoas cujo emprego é atender o público são quase sempre as mais mal humoradas...
Très bien!

PATRICIA M. disse...

Claudio, eu tinha entrado no site da RATP antes, mas esqueci de imprimir os mapas. Confiei que ia ter mapa na estacao, mas juro que nao vi em nenhuma.

Tambem, depois que ganhei o mapinha da menina, desencanei de procurar. No hotel consegui um mapa do centro de Paris, patrocinado por quem? por quem? pela Galeria Lafayette, claro. Foi esse mapa que usei para andar em Paris.

Ah, os garcons foram todos simpatissimos. Nao achei nenhum frances grosseiro.

Blogildo disse...

Traída por um reflexo involutário. Hehehehehe! A francesa deve ter achado o quê? Que você fazia o "V" de vitória? Esses franceses...

Lelec disse...

Humm... Que bom que sua estadia por aqui foi agradável.

Na verdade, isso de não gostarem de falar inglês é coisa de gerações antigas. Pessoas de até 45anos curtem falar a língua do bardo britânico.

Quanto aos mapinhas, nunca tive problemas para encontrá-los nas principais estações. Naquelas mais pequeninas e periféricas, é mais difícil mesmo.

Kiss,

Lelec

Frodo Balseiro disse...

Patricia
O principal voce ainda não contou!
Foi visitar o Lelec?
Comeu o que e aonde?
(Mr. X não vale ,ok)
Ab
Frodo