sábado, 5 de janeiro de 2008

Paris, Paris! - Parte II

Entrei no onibus e peguei as cadeiras da frente, que me permitiam ver a estrada. Em relacao a onibus, o Bananao tambem ganha do mundo civilizado: nao que os onibus ingleses/franceses sejam ruins, mas poderiam ser melhores. Nao ha a categoria "primeira classe", se eh que me entendem. Os precos de todos os onibus e de todos os assentos sao iguais, absolutamente iguais. Fiz questao de ir em um carro que na internet dizia ter extra leg space. Era um onibus mais elevado, em que os assentos se situam na parte superior do veiculo - e nao ha assentos na parte inferior. Acho que a linha RJ-SP tem esse tipo de bumba. As cadeiras reclinam como cadeiras de aviao - ou seja, pouquissimo. Nao ha onibus "executivo", hehehe.

Bem instalada e ainda esperando por Mr X, comecei a olhar ao redor. Quem anda de onibus na Europa? Bem, eh um mix de mochileiro, turista, pessoal sem recursos e maluco. Acho que me encaixava ali nas categorias "turista-maluco".

Comecei a pensar em seguranca. Nao ha qualquer seguranca em uma rodoviaria, seja ela no Brasil, Israel, Estados Unidos ou Europa. Se eu fosse terrorista, explodiria bombas em rodoviarias. Nao ha como checar a bagagem de ninguem. Basta enfiar uma mala de explosivos em qualquer onibus e pronto, o estrago esta feito. Nao precisam nem sacrificar ninguem na operacao. Ou basta deixar uma mala cheia de explosivos no meio da balburdia e acionar o botao. Estou pensando seriamente em escrever uma cartinha para o prefeito de Londres pedindo medidas urgentes de seguranca na Victoria Coach Station. Deveria haver detector de metais. As bagagens deveriam ser checadas como em aeroportos. Podem me chamar de neurotica. Mas ha que se pensar com a cabeca deles. E se eu fosse um deles, faria exatamente isso que estou descrevendo.

Bom, depois de divagar alguns minutos sobre esse fato, e como nao poderia fazer nada no momento a respeito, a nao ser rezar para que nao houvesse nenhum fanatico islamico dentro do onibus (islamicos havia, mas nao fanaticos, creio), como diz a nossa querida Martaxa, relaxei e gozei. Vamos que vamos que quero chegar a Paris!

Ate o porto de Dover a viagem foi bastante tranquila. Nao ha o que relatar, a nao ser que as estradas inglesas sao bastante boas (ohhhhhh - um aparte aqui, para voces darem risada: quando me mudei para Sao Paulo, so havia andando em estradas mineiras, cariocas, capixabas, baianas, goianas, catarinas, paranaenses, e paulistas federais - ou seja, buraco puro, acostamento quase que nenhum e faixa unica. Havia tambem morado nos Estados Unidos, e ai sim, ja havia sentido o que era ter estrada de verdade. Pois, quando me mudei para Sao Paulo e fiz a primeira viagem de carro em direcao ao litoral norte, usando a estrada Ayrton Senna - 3 faixas, asfalto bom, acostamento e separacao fisica das pistas, nao segurei o comentario: "Nossa, mas tenho de contar isso para a minha mae, Sao Paulo tem estrada igual os Estados Unidos!!!" O pessoal que estava no carro, todos paulistas e acostumados com aquelas estradas desde criancinha, deu muita risada - fim do aparte).

Chegando a Dover, pois, tivemos que passar pela Imigração francesa. Foi hilário...

Um comentário:

SSRJ - MÚSICA & LIVROS disse...

Feliz Ano Novo!!!!!!!!!!!

Só vindo aqui para descobrir por onde vc anda....... e pelo jeito andou muiiiiiiiiiiito!!!!!!!!

Precisamos colocar os babados em dia...

Kisses & Hugs
ILU