quinta-feira, 23 de abril de 2009

Destino

Se tudo estava escrito (Maktub!) e uma pessoa não tem escolhas a fazer na vida, então não há julgamentos, pois só estávamos cumprindo papéis estúpidos ditados a nós por algo superior.

4 comentários:

Funes, o memorioso disse...

- O senhor não me pode condenar - disse o assassino ao juiz. O livre arbítrio não existe; estava escrito desde o princípio dos tempos que eu havia de cometer este homicídio. Foi o destino.
- É verdade - redarguiu o juiz. Mas vou ter que o condenar. O livre arbítrio não existe e está escrito desde o princípio dos tempos que o vou condenar. Não posso fazer nada. É o destino.

patricia m. disse...

Funes, gostei, hehe.

Frodo Balseiro disse...

Ou não Patrícia, ou não.
Essa parece ser a grande questão atrás da qual todos estão!

Blogildo disse...

Continuando o diálogo do Funes:
- Pois bem, meritíssimo, o senhor está predestinado a levar uma bala na cabeça! Não posso fazer nada. BANG!