quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O Fenomeno Tecnologico

Ja li inumeras reportagens sobre como a nossa vida em um futuro nao muito distante sera, como tudo que tocarmos estara ligado irremediavelmente à internet, como controlaremos tudo com um apertar de botoes - quica controlaremos com a mente - e por ai vai.

Eu sou uma grande fan da tecnologia. Desde crianca me encanto com estorias de ficcao cientifica, e ja me peguei mais de uma vez sonhando acordada com coisas que poderiamos fazer se apenas tivessemos tal e tal tecnologia ao alcance.

Mas confesso que mesmo para uma fan como eu, as coisas estao indo rapido demais. Explico. Nao da para trocar de celular/notebook/e-reader/televisao/todos os outros gadgets a cada 6 meses. E a cada 6 meses todos os seus aparelhos eletronicos se tornam obsoletos. Isso eh complicado do ponto de vista financeiro. E abro um parenteses aqui para confessar que infelizmente isso so eh uma apreensao para talvez a parcela 5% mais rica da humanidade, nos, que temos acesso a essas maravilhas eletronicas. Fecha parenteses.

Por isso mais e mais acredito na especializacao dos aparelhos, e nao na generalizacao, como infelizmente acredita a industria. Tome o exemplo do Kindle, por exemplo. Eh um leitor eletronico de livros. Deve ser console de jogos? Nao, na minha opiniao. Deve ser capaz de surfar a internet? Nao, na minha opiniao. Deve fazer ligacoes? Tambem nao. Para isso temos outros aparelhos. O Kindle deve ser um leitor eletronico de livros e somente isso. Por que? Porque assim nao precisarei a cada 6 meses substitui-lo por um novo. Senao vejamos: se os fabricantes fizerem updates frequentes do software (ja discuti os probleminhas que achei) e disponibiliza-los para os clientes, para que trocar o hardware? Mais espaco em disco? Devem ser capazes de criar entradas USB para voce poder armazenar quantos zilhoes de livros quiser (isso eh uma outra discussao behaviorista que introduzirei depois) externamente. Um livro eh um livro eh um livro e nao mudara nada como nao mudou nas ultimas centenas de anos e portanto um leitor eletronico tambem nao deveria mudar muito. Concordam?

Outra dia, em um desses videos futuristas sobre como tudo estaria integrado à internet, desde a sua geladeira ate a mesa da cozinha, vi uma discussao sobre fabricantes desses equipamentos. Eles nao tem muito interesse em incorporar essa tecnologia a esses produtos domesticos. A explicacao eh obvia: uma geladeira eh feita para durar no minimo 10 anos. Nao da para trocar de geladeira a cada 6 meses porque algum nerd resolveu incrementar o hardware de forma que possamos jogar joguinhos na porta do refrigerador...

Alias, falando em cozinha... Minha crenca eh que nem mesmo teremos cozinhas nos apartamentos e casas de um futuro nao muito distante, mas isso tambem fica para outro dia. Deixa eu surfar a internet nesse meu dinossaurico notebook de 2003. Todo mundo que o ve faz cara de espanto!

Um comentário:

Funes, o memorioso disse...

Nunca estive tão de acordo consigo, Patrícia. Sempre achei que um telemóvel deve servir para fazer chamadas telefónicas. Só. No limite, deve poder também ser usado para atirar à cabeça de alguém que nos esteja a chatear. Mas nunca para tirar fotografias, ouvir música ou jogar jogos electrónicos.