sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Battisti

Eu acho que o Brasil comeca o ano novo sob bons augurios... Acabamos de negar a extradicao de Battisti, o famigerado terrorista italiano. Um dia, se Bin Laden quiser uma vida tranquila, basta ir para o Brasil: nos o acolheremos de bom grado. Afinal, o que o homem fez, nao eh mesmo...

Como eu sempre disse aos meus amigos: matou? estuprou? assassinou? roubou? Compre uma passagem so de ida ao Brasil!!! O melhor lugar do planeta para criminosos!!! Burro foi o Assange, que foi pedir asilo na Suecia! Meu, voce devia ter ido ao Brasil! Seria recebido como heroi, com passeata em cima de carro de bombeiros e tudo mais...

P.S.: engracado eh ler que os idiotas dos brasileiros (comunistas) acham que o terrorista vai ser *maltratado* na Italia... Como se nos tivessemos as melhores cadeias do mundo! Hi-la-rio.

2 comentários:

Funes, o memorioso disse...

Patrícia, desculpe, preciso da sua ajuda técnica.
No dia 23 de Janeiro, Portugal vai ter eleições para a Presidência da República. O actual presidente, Aníbal Cavaco Silva, recandidata-se de novo.
Entretanto, soube-se o seguinte: em 2003, Cavaco adquiriu, por um euro cada, umas largas dezenas de milhares de acções da "Sociedade Lusa de Negócios" (SLN) cujo principal activo era o "Banco Português de Negócios" (BPN), onde detinha uma participação absolutamente dominante. Controlava o banco. Penso até que deteria mais de 50% do mesmo. A administração da SLN e do BPN era a mesma. Um ano depois, Cavaco vendeu as suas acções por 2,4 euros cada, realizando uma mais valia de 140% aproximadamente. Tanto a compra como a venda foram feitas fora da bolsa, porque a SLN não estava cotada. Ao que parece, o preço foi fixado pelo próprio comprador que (embora o assunto não esteja inteiramente esclarecido) foi CEO do BPN ou o próprio BPN. Em 2008 o BPN foi nacionalizado, porque estava falido. Os seus administradores (antigos ministros de Cavaco Silva, no tempo em que este foi primeiro-ministro e seus amigos pessoais) estão presos (ou com outras medidas de coação previstas na lei portuguesa) e aguardam julgamento.
Os meus amigos cavaquistas acham o comportamento do seu candidato absolutamente normal, argumentando que ele se limitou a ganhar dinheiro jogando regularmente com as regras de mercado.
Posso pedir-lhe o seu parecer?
É normal ganhar-se 140% num ano, comprando e vendendo fora da bolsa acções de uma sociedade detentora de um banco cujas fraudes - à escala portuguesa - são o equivalente a cinco a dez vezes as fraudes de Madoff?

Deixo para o fim o mais importante e que é aquilo por onde devia ter começado: FELIZ ANO NOVO!

patricia m. disse...

Oi Funes, feliz ano novo!

Eh claro que 140% em 1 ano nao eh um retorno padrao! Eh bem acima da media de mercado. E mais, ha conflitos de interesse por todo lado nesse caso, pelo que pude entender.

Se ele jogou "pelas regras do mercado", por que nao joga mais luz no caso e explica quem fez a avaliacao da acao no ato da venda a 2.40, etc etc etc?

Uma pessoa honesta jamais faria o que ele fez, obviamente. Simplesmente pelo fato de que quando ha conflito de interesse nao vale a pena entrar nesse tipo de transacao que opera na area cinzenta do mercado. Se a transacao fosse na bolsa, ok. De forma privada? Hehehehehehe. So para ingles ver.