quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Em Barcelona - I

Houve mais aventura - digamos assim - do que eu realmente desejaria na minha viagem a Barcelona. Mas vamos por ordem.

Chegamos la e pegamos o trem ate a estacao central, e depois um onibus ate o hotel. Foi legal porque fui conversando o trajeto inteiro com o motorista de onibus, papo vem, papo vai, e voce ja comeca a tentar captar um pouco da cultura local. O que eh bem dificil quando se eh turista, veja bem, creio que so ha mesmo como entender os locais depois que se mora por um tempo na terra, no minimo 6 meses na minha opiniao.

Os espanhois costumam ser meio bruscos no inicio de uma conversa, mas ha como adoca-los rapidinho. E boba que nao sou, ja sabia como fazer isso: primeiro disse que preferi ir a Barcelona do que a Madrid em primeiro lugar, e o catalao ja abriu um sorriso de orelha a orelha. Depois prestei louvores ao time local - o Barca, claro, o qual realmente eh meu preferido no campeonato espanhol - e fiz a promessa de que visitaria o estadio deles - coisa que nao fiz, logico. Por ultimo, voce diz que eh brasileiro e nao ha ninguem no mundo que odeie brasileiro.

Uma coisa interessante aprendi na conversa com o motorista catalao, e depois lembrei que havia mais ou menos batido o mesmo papo com o Funes portugues. Ambos fizeram uma reclamacao ligeira do euro. Oras, todo mundo sabe que a Alemanha pagou e continua pagando a conta para que todos esses paises pobres - primeiro os da Europa Ocidental, agora os da Europa Oriental - entrassem na UE. Eu farei questao de ver o que os alemaes pensam disso quando for la em fevereiro (sei que os alemaes ocidentais - eles ainda se dividem assim, depois de 20 anos de queda do muro - nao gostam muito de ter pago a conta da unificacao da Alemanha, ja ouvi isso da boca de uns tantos quantos). Enfim, apesar de ficarem satisfeitos de fazerem parte do mesmo time seleto da UE, digamos assim - "agora somos como os franceses", ouvi dizer - ou seja, a moral deles aumentou porque agora sao europeus de verdade, e nao PIGS (acronimo para Portugal, Italy, Greece and Spain, os sempre paises pobres do Mediterraneo), eles reclamam do aumento do custo de vida que tiveram com a introducao do euro. Uma cerveja no Porto que custava o equivalente a 80 centavos de euro (em escudos) custa hoje em dia 2 euros. O motorista catalao disse que quando tinham as pesetas, eles conseguiam poupar. Diz que agora mal e mal da para pagar as contas, "eh tudo tao caro". "Nosotros ahorrábamos, ahora no más".

A cerveja la em Barcelona eh 2 euros tambem, e eu claro achei muito barata. Obviamente quando se tem um Banco Central "estrangeiro" comandando as taxas de juros fica um pouco dificil controlar a economia do pais. Pelo menos em termos de medidas monetarias, restam as fiscais. Eh exatamente como as economias dolarizadas, so restam os instrumentos fiscais, porque as medidas monetarias ficam nas maos do FED. No caso da Europa, todo mundo sabe quem manda mais, hehe, e eh quem paga a conta que manda mais.

Por que todo esse medo horrivel que o ECB tem da inflacao e esta custando tanto a abaixar as taxas de juros no momento? Por causa da hiperinflacao na Alemanha logo depois da WWI. O ECB eh mais alemao do que frances, italiano, espanhol, etc...

Voltando `a viagem, o catalao Francisco foi muito simpatico com a gente, e eu ja fiquei animada com a terrinha. Fora que nao fazia tanto frio no momento como em Londres, o que ja era bom sinal...

2 comentários:

Blogildo disse...

Cara, aqui é o Blogildo diretamente do Nokiaberry. Essas crónicas di España estão muito boas. Bjs!

jotacarlos disse...

Feliz Ano Novo.
Legal. Gostei do nome de seu blog.
Um abraço.