quarta-feira, 19 de setembro de 2007

El Dolce Far Niente

P: Então, você faz o quê mesmo?
J: Sou advogada em um escritório, acabei de me formar e entrei pelo programa de trainee.
P: Legal, eu estou trabalhando no mercado financeiro. Tambem entrei via programa de trainee, só que de MBA.
J: Estou fazendo uma rotação agora que termina no final de abril...
P (animada): Vocês advogados trabalham bastante né? Em New York advogado trabalha tanto quanto investment banker, longas horas. É uma carreira e tanto nas grandes firmas!
J: Na verdade tive uma oferta de um escritório americano aqui em Londres e recusei. Eles ganham mais, mas têm que trabalhar mais. Estou trabalhando em uma empresa inglesa. A gente trabalha das 9 às 6. No escritório americano trabalham das 8 às 7...
P (desanimada): (mal sabe ela que em New York os advogados trainees das grandes firmas trabalham de 15 a 18 horas por dia. 23 aninhos e já quer essa moleza toda da vida?).
P: É, americano trabalha muito mesmo...

6 comentários:

Daniel F. Silva disse...

Eles são gente que rala!!! Se alguém quiser moleza, que se sente num pudim!

:-)

william disse...

Estagiário de grande escritório, aqui em SP, trabalha mais que ela...

Blogildo disse...

Ah! As delícias do "welfare state". Isso deixa o povo mal acostumado.

Fábio Mayer disse...

Advogado "trainee" no Brasil ganha 800 pilas mensais (se muito), trabalha pouco e mal (até porque a enorme maioria sai da faculdade sabendo muito pouco e passa no exame de ordem à duras penas), mas mesmo assim, faz praticamente todo o serviço do escritório, porque os "grandes" advogados, estes curtem fazer muita publicidade e só atuar em "processões".

No Brasil, os bancos de regra contratam grandes escritórios de advocacia, o que faz que, fora o governo, sejam as entidades mais mal assistidas em juízo... só não dão muita bola porque seus lucros são extraordinários, mas de olhassem bem e contratassem advogados por competência e não renome, teriam lucros ainda melhores.

Tá certo que tem exceções, mas se olhar a maioria dos grandes escritórios de advocacia do país, dá para confirmar o que eu escrevi.

Álvaro Motta disse...

Caros,

vamos começar com a boa escrita. É IL DOLCE, não EL.

Sobre a trainee que fez uma opção - coisa rara para quem está em começo de careira - por que não? Tem certo e errado? É errado ela querer começar por uma empresa onde há hora para entrar e sair? Correto é ralar feito um mouro para descobrir que, muito provavelmente, só em outra instituição seu trabalho será reconhecido?
O mundo de hoje quer quem pense out of the box. Trabalhar 15, 18 horas é pensar muuuuuuito dentro da caixa.

PATRICIA M. disse...

Lapso...

Se essa eh a sua opiniao, otimo. Voce tem uma opiniao formadissima sobre o que o mundo quer, nao? Qual a otica? Brasil? EUA? Inglaterra? Qual a industria? Alias, esta falando de entrepreneurs ou de employees? Voce quer um advogado criativo, igual um cara que trabalha que trabalha para a Microsoft, de bermudao no escritorio?

By the way, meu caro, nao exclui criatividade do curriculo. So digo que tem que haver esforco, suor. Sem isso, nada de grana no bolso. Alias, como ja bem dizia Edison, eh 95% transpiracao e 5% inspiracao.