quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Eu Sei Como Eh Isso!

Achei otima a noticia. Ha que se ter criatividade nessa vida. Eu mesma ja fiz isso varias e varias vezes. E nao foi por falta de dinheiro. Foi por... por... sei la. Foi por amor a aventura.

A primeira vez foi quando morava em Joinville. A cidade esta localizada no vale do rio, e faz um calor dos diabos no verao, nao venta e o tempo eh umido. Eu nao queria comprar ventilador, morava com uma senhora na epoca, entao o jeito era ir para o shopping center nos finais de semana do verao me refrescar um pouco.

Mas a melhor de todas foi em Nova Iorque. Chegamos no horrivel verao de 2005, em agosto, o pior mes. Pensei, o verao esta terminando, nao vou comprar ar condicionado. Conseguimos suportar o verao. Mas ai veio o verao de 2006, um dos piores dos ultimos anos, pior mesmo que o deste ano. Pensei, se nao comprei ar condicionado no ano passado, nao vai ser esse ano que vou comprar, ja que vou sair desse ape em breve (era o apartamento da universidade e so podia ficar la ate a formatura em maio de 2007). A minha melhor invencao ate hoje chama-se "air conditionator Tabajara", em homenagem `as invencoes sempre criativas do Casseta & Planeta. Funcionava assim: colocava 2 garrafinhas de vidro de 300 ml cheias de agua na geladeira, as vezes ate deixava por alguns minutos no congelador. Na hora de dormir me abracava `as garrafinhas e conseguia pegar no sono.

So que teve uma noite no meio de agosto que a invencao nao funcionou. Eu tinha que trabalhar cedo no dia seguinte e nao conseguia pegar no sono por causa do calor. O nosso termometro marcava ridiculos 37 graus as 10 horas da noite (fora a umidade horrenda de Nova Iorque). O Barba ja estava roncando na cama e eu la, pensando e pensando em como driblar o calor. Todas as janelas da casa estavam abertas mas nao entrava nem um arzinho, nada. Pensei que podia encher a banheira de agua gelada e dormir la, mas cortei logo a ideia porque e se morresse afogada? Eu costumo ter sono bem pesado... Dai tive a brilhante ideia de encharcar a toalha de banho e cobrir-me com ela, como se fosse mortalha. Funcionou... No dia seguinte a cama estava toda umida ainda e minha mae me xingou horrores porque disse que eu podia ter pego pneumonia com essas ideias idiotas segundo ela. Mas olha, funcionou que foi uma maravilha.

Aqui em Londres usei outra tecnica dia desses em junho quando fez uma semana de calor extraordinario. Calor extraordinario aqui eh 32 graus, mas como eu ja estou em Londres ha 3 anos isso para mim eh muito. Muito mesmo, principalmente se levarem em consideracao que eu ja sofria com calor anteriormente, meu organismo apesar de nascido no Brasil nunca curtiu muito uma sauna (e em Belo Horizonte nas montanhas nunca fez mesmo tanto calor). Entao, era domingo, nao havia nada para fazer a nao ser ir para a missa. Fui. A igreja estava geladinha como todas as igrejas que se prezam. Passei mais um tempinho la depois da missa, aproveitando para colocar uns assuntos em dia com o Todo Poderoso. Bem umas 2 horas creio. Depois pensei, e agora? E agora Jose? Dai fui ao cinema, claro. Igual os russos.

So voltei para casa de noitinha. Ai as coisas ja estavam melhores.

2 comentários:

Funes, o memorioso disse...

Mas, Patrícia, ir ao cinema custa dinheiro. Eu limito-me a ir ao Centro Comercial que tem ar condicionado e é de graça.
Recordo-me que li a Biografia do Bandido Mao Dze Dong (ou Mao Tse Tong, como se dizia antigamente) em quatro ou cinco tardes de calor passadas sob o ar condicionado da Livraria Bertrand.
E não comprei o livro.

João Batista disse...

O bizarro desses verões no hemisfério norte é que eles acontecem mais ou menos quando é inverno aqui. Como o nosso jornalismo é inteiramente pautado pelo jornalismo do hemisfério norte, a papagaiada sobre aquecimento global sempre acontece durante o nosso inverno...

O maior incêndio e seca na Rússia, enquanto São Paulo congela aos 8 graus com garoa e vento.